A Escolha Cromática de 2024 da Suvinil: “Conforto”


A tonalidade predominante escolhida para o ano de 2024 pela Suvinil é “Conforto”. Essa tonalidade é um híbrido de azul claro com nuances acinzentadas. O surgimento desta cor como a tendência principal para 2024 é uma resposta direta às necessidades contemporâneas de nossa sociedade, que almeja um repouso mental em meio ao turbilhão da era digital.

Celebrando o marco de sua 15ª edição, o estudo “Suvinil Revela 2024+” trouxe à tona essa cor atemporal. A pergunta central que orientou a seleção foi: “Em meio ao caos, como podemos nos reequilibrar?”.
A pesquisa indica que essa cor representa o anseio por um respiro, uma pausa em meio à correria. O azul, com sua tonalidade serena e neutra, nos convida a uma reaproximação com a essência da natureza. Remete ao vasto céu em um dia claro e simultaneamente faz uma ponte com os espaços digitais que habitamos frequentemente.

Michell Lott, especialista em cores da Suvinil e mente criativa por trás do Revela 2024+, destaca: “A escolha de uma cor mais suave, clara e com toques acinzentados equilibra-se harmoniosamente com as cores terrosas e madeiras em evidência recentemente. É a combinação ideal para proporcionar frescor e alívio às mentes sempre ativas.”

Em sua quarta participação consecutiva no estudo, Michell apresenta uma paleta de cores que são um bálsamo para o corpo e a alma, ofertando uma resposta à aceleração contemporânea. Essas cores, representando uma jornada de tranquilidade, são categorizadas em cinco paletas evocativas: Silêncio, Terra, Cura, Tempo e Infinito. Muitas delas exploram nuances de rosa e tonalidades terrosas.

Paleta Silêncio, da Suvinil — Foto: André Klotz
Paleta Infinito, da Suvinil — Foto: André Klotz
Paleta Tempo, da Suvinil — Foto: André Klotz
Paleta Cura, da Suvinil — Foto: André Klotz
Cor do ano de 2024 da Suvinil é a Conforto — Foto: André Klotz
Paleta Terra, da Suvinil — Foto: André Klotz

A pesquisa ainda trouxe uma reflexão profunda sobre os tempos atuais. Antigamente, o conhecimento era nosso bem mais precioso. No entanto, com inovações como a Inteligência Artificial e ferramentas como ChatGPT, a verdadeira joia rara é nossa capacidade criativa. No cenário do design de interiores, percebe-se uma busca incessante por estabilidade e equilíbrio, conduzindo-nos a uma reconexão vital com nossa essência e desencadeando nossa imaginação sem limites.

A Magia das Cores e Mobiliário no Design de Interiores

As cores, com suas infinitas nuances e combinações, possuem um papel fundamental na criação de ambientes e na evocação de emoções. No universo do design de interiores, elas são as protagonistas que definem o tom, a atmosfera e até mesmo a funcionalidade de um espaço. Assim como um artista utiliza sua paleta para dar vida a uma tela, designers de interiores utilizam cores para infundir energia, serenidade, sofisticação ou calor em um ambiente.

A psicologia das cores nos mostra como cada tonalidade pode influenciar nosso estado de espírito e comportamento. Por exemplo, os tons de azul podem evocar sentimentos de calma e tranquilidade, enquanto as tonalidades mais quentes, como laranja e vermelho, são associadas à energia e paixão. Essa compreensão profunda das cores permite que os designers criem espaços que não apenas são esteticamente agradáveis, mas também atendem às necessidades emocionais dos ocupantes.

Mas a coloração é apenas um elemento do mosaico complexo do design de interiores. Os móveis, com seus designs, materiais e posicionamento, atuam como coadjuvantes essenciais nesse palco cênico. A escolha e combinação do mobiliário pode transformar radicalmente um espaço, seja pela funcionalidade, conforto ou estética.

Imagine entrar em um cômodo com tons neutros e ser surpreendido por uma poltrona statement em veludo verde esmeralda ou uma estante de madeira rústica contrastando com paredes brancas minimalistas. O mobiliário tem o poder de ser o ponto focal, dirigindo o olhar e moldando a experiência do espaço.

Além disso, o posicionamento dos móveis é vital. Ele determina a fluidez do movimento, a interação das pessoas e até mesmo a acústica do ambiente. Um sofá bem posicionado pode facilitar a comunicação entre os convidados, enquanto uma mesa de centro estrategicamente colocada pode se tornar um ímã de interações sociais.

Em síntese, o design de interiores é uma alquimia meticulosa de cores e mobiliário. Ao entender e respeitar o poder desses elementos, designers têm em mãos a capacidade de transformar qualquer espaço, seja ele um pequeno estúdio ou uma vasta mansão, em um santuário de emoções, funcionalidade e beleza inigualável.

Compartilhe:

Você pode gostar